6 fatos interessantes sobre o Grand Central Terminal

O Grand Central Terminal em Nova York é muito mais do que um local de interesse na “big apple”. Esta estação é considerada como um dos maiores centros de transporte nos Estados Unidos da América e ainda um belo exemplo de restauro e utilização de um edifício histórico a nível internacional. Não só para os que visitam Nova York mas também para os locais, o Grand Central Terminal é um local de visita obrigatória, seja para viajar, comer ou apenas contemplar a grandiosidade deste magnífico edifício. Se visita esta estação pela primeira vez aqui estão 6 fatos interessantes sobre este monumento.

Maior terminal e caminho-de-ferro em todo o mundo

O Grand Central Terminal é uma das magníficas estações construídas em Nova York na era do transporte ferroviário. Na conclusão da sua construção em 1913, foi caraterizado como sendo o maior terminal ferroviário do mundo, atendendo entre 75000 a 100000 passageiros por dia. A estação originalmente existente construída em 1869 era constituída apenas por um enorme edifício de ferro e vidro, longe da enorme estrutura que em 1913 se ergueu no mesmo local.
O terminal em toda a sua expansão englobava uma área total de 282.417 metros quadrados e foi construído com um custo de 80 milhões de dólares entre 1903 e 1913. Na altura da sua construção, cerca de 180 edifícios entre as ruas 42th e 50th foram demolidos para dar lugar à nova estação. Com 67 linhas e áreas separadas para chegadas e partidas o Grande Central Terminal servia com eficiência os seus utentes e deslumbrava os seus visitantes.
O novo terminal possuía também o único sistema de sinalização totalmente elétrico e a maior área de linha ferroviária eletrificada em toda a nação. Em 1967 a comissão de preservação de marcos históricos nos Estados Unidos designou o Grand Central Terminal como um marco da cidade de Nova York.

Uma obra-prima de Arquitetura e de Engenharia Civil

O Grand central Terminal é considerado uma obra-prima de design pela sua fachada que se avista na 42th street. Os grandes arcos são ladeados por colunas coríntias encimadas por uma escultura que agrupa Mercúrio, deus do comércio, Minerva e Hércules, representantes da força mental e moral. Ainda nesta fachada no centro do grupo escultural, encontra-se o maior relógio Tiffany do mundo, medindo 426.72 centímetros em diâmetro.
Ainda mais impressionante é o átrio central construído em mármore do Tennessee, paredes de pedra de Caen, uma escadaria dupla em mármore Botticino, um pé direito de 43 metros onde se encontram desenhadas as constelações do zodíaco e ainda janelas arqueadas de 23 metros de altura que se deixam transpor pela luz natural. Esta grandiosa obra de design torna o átrio central num dos mais procurados espaços para a realização de eventos públicos em Nova York.
O Grand Central Terminal é também considerado um triunfo de Engenharia Civil pelos seus dois enormes andares de linhas de comboio no subsolo, disponíveis a todos mas “escondidos” de forma percetível.

Central de transportes de Nova York

Hoje em dia o Grand Central Terminal serve a cidade de Nova York como um centralizador de transporte conectando de forma regular comboio, metro, carro e trafego pedestre.
A Metro-North Railroad foi fundada em 1983 com o intuito de consolidar as linhas que desaguavam na Grand Central e desde então tornou-se o maior serviço ferroviário suburbano nos Estados Unidos da América.
Os utentes provenientes de Long Island poderão viajar diretamente para leste de Manhattan quando se der a conclusão prevista do projeto da Metro-North’s East Side Acess no Grand Central Terminal. A nova confluência e plataformas para os comboios provenientes de Long Island irá estender o impacto e relevância do Grand Central Terminal na cidade de Nova York.

Destino singular para compras em Manhattan

O Grand Central Terminal deixou de ser há muito apenas uma estação de comboios para destinos de longa distância, passando a ser um destino original para compras e lazer com lojas especializadas, restaurantes, bares e mercado gourmet que serve os seus visitantes e viajantes.
O terminal sofreu obras de restauro que duraram 2 anos em 1996, cujo custo de obra ascendeu aos 196 milhões de dólares. No interior da estação ferroviária o principal espaço de espera dos passageiros foi convertido numa sala de exposições e foram adicionados 6,038.7 metros quadrados de área para lojas no nível mais baixo no subsolo. No decorrer destas obras de restauro o átrio central foi tornado naquele que é hoje um dos espaços de eventos mais populares na cidade de Nova York.
Os utentes do Grand Central Terminal são diferentes de qualquer outro lugar em Manhanttan devido aos pequenos espaços comerciais que atraem todo o tipo de pessoas com estilos bem diferentes uns dos outros. Com a adição de 2,043.87 metros quadrados prevista com a conclusão do projeto de Long Island Rail Road em 2018, a posição de destino de excelência para compras e lazer do Grand Central Terminal estará certamente assegurada.

Grand Central Oyster Bar & Restaurant

Popularmente conhecido como o “O-Bar”, este histórico local data de 1913 quando o terminal foi inaugurado. Localizado no átrio inferior, Granc Central Oyster Bar & Restaurant é considerado um dos restaurantes mais grandiosos de Nova York não só pelos seus magnifico interior mas principalmente pelas ostras que ali são servidas e carta de vinhos que apresenta 300 opções aos seus visitantes.
Embebido na atmosfera deste Bar e Restaurante e tendo acesso a um bar bem abastecido, corre sérios riscos de perder o seu comboio!

Impulsionador do desenvolvimento de Manhattan

O Grand Central Terminal tem vindo a estimular o desenvolvimento dos seus arredores desde que o conceito de “direito aéreo” foi introduzido para permitir que se construam edifícios nas redondezas dos pátios ferroviários a troco de dinheiro. Este novo conceito levou à construção de cerca de 30 edifícios que comportam uma rede de escritórios, hotéis e estações de metro nas redondezas do terminal que se ligam ao Grand Central Terminal por avenidas subterrâneas ladeadas de lojas. O terminal e as suas inúmeras ligações aos diferentes meios de transporte na cidade também levaram ao crescimento da população residente no Bronx e nos subúrbios no norte de Manhattan.
O terminal está destinado a tornar-se ainda mais central e importante do que nunca no crescimento de Nova York com a chegada prevista de comboios provenientes de Long Island, pertencentes à Long Island Rail Road, até 2020, e com a extensão da linha de metro que se liga a Hudson Yards. É esperado que o Grand Central Terminal venha a receber diariamente cerca de 800 mil utentes, entre viajantes, compradores e turistas.
Com a sua expansão, a rede de transportes irá promover o desenvolvimento de mais de 929 metros quadrados de área nas redondezas com a construção de escritórios e lojas. O dinheiro arrecadado com a concessão dos direitos aéreos para a construção destes novos edifícios será investido em várias melhorias nas redondezas do Grand Central Terminal.
 
Boa viagem!