Visitar Nova York - metro de City Hall

Pontos turísticos – os segredos de Nova York

Os habitantes de Nova York afirmam ter a certeza de que conhecem tudo acerca de cidade – onde encontrar o melhor mercado, como evitar pagar o preço total de entrada nos musues, qual a melhor rota para fugir ao trânsito da cidade. No entanto, a cidade de Nova York pode revelar segredos até para os maiores veteranos. Para além da cidade onde todos conhecem onde comer, beber, dormir e divertir, existe uma cidade escondida. Esta cidade de Nova York é misteriosa, esquecida, abandonada ou simplesmente neglicenciada. Segue uma lista dos melhores e mais secretos locais da cidade de Nova York que não é normalmente referida nos guias de viagem. Terá de sair e descobrir por si mesmo.

Estação de metro escondida – City Hall

O metro da cidade de Nova York é há muito tempo o sistema de transporte mais eficiente da cidade, e até agora permite-lhe até mesmo viajar no tempo. A estação de metro por baixo do City Hall encontra-se encerrada desde 31 de Dezembro de 1945. Esta é uma maravilha arquitetural subterrânea, com tetos arqueados altos cobertos em azulejo antigo e calarabóias de vidro que inundam o espaço com luz natural. Esta estação tem estado fechada como uma cápsula do tempo desde essa altura, mas pode vê-la com os seus próprios olhos a partir do interior de uma carruagem do metro. Para lá chegar, apenhe o metro 6 em direção à estação de Brooklyn Bridge/City Hall (a última estação caso se esteja  a deslocar para sul) mas não saia do metro. O metro dá a volta na estação de City Hall, dando-lhe uma vista indescritível do inacessível local. Até uma determinada altura, era suposto os passageiros saírem do metro na estação de Brooklyn Bridge/City Hall antes do metro dar a volta e apenas alguns privilegiados podiam ver esta obra. Agora, todos podem observar este belo pedaço de história.

Whispering Gallery – Grand Central Terminal

O Grand Central Terminal tem muitos segredos. Para começar, Franklin Roosevelt tinha a sua própria passagem subterrânea que o levava diretamente ao Hotel Astoria. No entanto, a Whispering Gallery sempre foi o segredo mais romântico desta estação. Este arco, localizado à frente do Oyster Bar & Restaurant tem uma propriedade acústica única: quando as pessoas se colocam em arcos diagonais e sussurram, a sua voz é ouvida do outro lado. Há rumores que indicam que a lenda do Jazz Charles Mingus gostava de tocar por baixo dos arcos. Facto curioso: hoje em dia, a Whispering Gallery é muito popular para sussurrar pedidos de casamento.

Rooftop Gardens – Rockefeller Center

Alguns dos mais belos jardins em Nova York estão escondidos dezenas de metros acima do chão. O Rockfeller Center mantém cinco espetaculares jardins nos telhados, originalmente desenhados pelo Inglês Ralph Hancock entre 1933 e 1936. Os jardins têm estado fechados desde 1938, mas três deles podem ser vistos a partir do deck de observação do Top of the Rock.

Muro de Berlim – Paley Park

Localizado numa pequena praça em 520 Madison Avenues está uma inesperada peça de história. Cinco seções da Muro de Berlim, com 3,6 metros de altura e 6 metros de comprimento estão expostos neste local desde 1990. O lado virado para oeste do muro está coberto com o espetacular trabalho dos artista alemães Thierry Noir e Kiddy Citny. No lado este permanece o espaço limpo de betão que recorda o regime político opressivo formado na Alemanha de este. À primeira vista este artefacto parece ser apenas outro mural público, passando despercebido às pessoas que se sentam no banco durante a sua paragem para o almoço.

Cemitério escondido – atrás do Hotel Bowery

Os hóspedes do Hotel Bowery que olham pela janela de trás do lobby admiram com frequência o relvado verde e tranquilo localizado atrás do edifício. No entanto, poucos sabem que estão na realidade a ver um cemitério escondido que tem placas em vez de pedras tumulares a identificar as campas. Fundado em 1830, este é o mais antigo cemitério público. A porta de entrada está localizada no final de um beco estreito que dá para a Second Avenue e está aberto para os visitantes apenas algumas horas ao quarto domingo de cada mês entre Abril e Outubro.

Cemitério de barcos – Staten Island

Um dos locais mais assustadores na cidade é o cemitério de barcos localizado em Staten Island. Longe da agitação urbana, em Rossville, Staten Island, este local pantanoso é o último local de descanso de diversos ferrugentos, em decomposição e abandonados barcos de todos os tamanhos. Os apodrecidos cascos dos navios, afastados das profundezas das água são estranhamente majestosos e belos. Este túmulo pode ser encontrado a 21 km de distância do terminal de ferry, através de um caminho improvisado na estrada Arthur Kill, perto de Rossville Avenue.

Pista de bowling – Frick Collection

The Frick Collection, uma mansão em Upper East Side antigamente propriedade do industrial Henry Clay Frick é uma beleza arquitetural única. Encomendada por Frick em 1914, esta casa tem uma sala de bowling subterrânea que em tempos foi um verdadeiro parque de diversão para magnatas caraterizado por paredes com painéis de mogno, pistas imaculadas e um conjunto de bolas feitas por encomenda que se encontram em excelente estado. Depois da morte de Frick em 1919, a pista de bowling foi abandonado. The Frick Collection restaurou o bowling em 1997 mas mantêm-no fechado à chave.

Túnel de metro – Old Atlantic Avenue

Durante mais de um século, o túnel do metro Atlantic Avenue foi considerado uma lenda devido a histórias contadas por escritores. No entanto, a verdadeira história do túnel não é assim tão fascinante. Este túnel foi construído por Cornelius Vanderbil em 1844 com o objetivo de redirecionar os comboios vindos de Long Island que foram acidentalmente atropelando passageiros. O túnel foi abandonado em 1861 e apenas foi redescoberto em 1980. A certa altura este túnel esteve disponível para visita, mas os passeios a este espaço subterrâneo já não estão disponíveis.

Galeria de escravos–Igreja Saint Augustine

Entre as paredes da Saint Augustine’s Episcopal Church no Lower East Side está uma lembrança única da segregação racial de Nova York. Escadarias estreitas levam a duas salas escondidas, localizadas por trás do balcão, onde os afro-americanos podiam ouvir a missa sem serem vistos. As salas eram informalmente conhecidas como “galerias de escravos” apesar de a escravatura já ter sido abolida em 1828, altura da sua construção. Ignorada durante décadas e considerada uma vergonhosa parte do passado de Saint Augustine, o espaço foi restaurando e aberto e ao público em 2009.

Abrigo da Guerra Fria – Brooklyn Bridge

Em 2006 foi encontrada uma câmara dentro da Brooklyn Bridge, localizada por baixo da rampa de entrada da ponte. A sala estava repleta de provisões militares antigas, com o objetivo de sobrevivência a um ataque de bomba nuclear e incluía cobertores, medicamentos, contentores de água e milhares de bolachas. As caixas das provisões datavam de 1957 e indicava que esta sala foi usada durante a Guerra Fria, para depois ser selada e esquecida. Por motivos de segurança, a localização exata desta sala foi mantida secreta e os milhares de pedestres que atravessam a ponte diariamente nem sabem da sua existência.
No entanto, este não é o único espaço secreto existente na ponte. Localizado na base, diversas salas conhecidas como Brooklyn Anchorage, foram em tempos usadas para atuações musicais e de teatro, assim como para exibições de arte durante cerca de 20 anos. Após os ataques de 11 de Setembro estas salas foram fechadas por motivos de segurança.

Túneis em Columbia University

Por baixo do campus Columbia University existem diversos tuneis que ligam vários edifícios da escola. Alguns destes túneis eram usados como locais de encontro para cientistas durante as fases iniciais da construção de Manhattan, enquanto outros eram usados para passagem entre os edifícios de um hospital psiquiátrico que em tempos ocupou este local. Estudantes e funcionários estão permitidos de usar alguns destes tuneis para circularem entre edifícios. No entanto, a segurança é apertada nos tuneis que são de circulação proibida.